Me, myself and Pop will eat itself

archives


Friday, June 28, 2002

 
[real music, not just rock and roll, it chooses you]

O Grenade é uma banda muito afudê. Tem essa música chamada "Moving wheels" que é uma das minhas favoritas de todos os tempos. Que música, rapaz.

O Rodrigo César, que é o homem-banda, criou seu blog recentemente e ainda tá meio ressabiado com ele. Mas anda escrevendo uns trecos muito legais ali. Tipo o post de ontem. Muito bonito.

Aproveitem o dia, queridos. Tô indo embora, agora. Possuo 17 reais na minha mochila encardida, mas não vou comprar nada.
posted by manu 7:49 AM


Thursday, June 27, 2002

 
[bitácoras]

De coisas que dão orgulho para a rapeizo.
posted by manu 3:47 PM

 
[das conversas que tenho com holden]

Deveria haver um slogan: "quer perder um amigo e não sabe como? monte seu weblog!".

Quem já se complicou por causa do seu blog bota o dedo aqui.
posted by manu 3:38 PM

 
[gotas de luxo, whatever]

"O Bryan Ferry continua aquela coisa 'manhã ensolarada num quarto de hotel em Paris, lençois brancos, cabelo impecável e ressaquinha de vinho depois de uma noite de sexo inofensivo'".

Do Adriano Butcher. Inacreditável o cara estar se complicando por causa do Gotas de Luxo. Ainda bem que ele inventou o Gotas de Lixo para botar ordem na Sala de Justiça.

Ai, ai.
posted by manu 2:46 PM

 
[i'm just trying to find a decent melody]

“Quando chegaria a noite em que ela não estaria assim na rua esperando, com medo de perder o ônibus ou medo de perder as chaves, ou de vomitar, ou de dizer alguma coisa ridícula? Quando ela ia parar de esquecer de ir para a cama ou de se despir?
Muitas coisas haviam sumido depois que ela ligara o botão do primeiro amplificador, e elas simplesmente nunca mais iriam voltar. Mas havia coisas que ainda eram legais. Quando o motorista do ônibus, pequeno e todo enrugado, finalmente abriu as portas, ela perguntou se podia acordá-la quando chegasse na parte alta, e ele fez que sim e sorriu.”

Moody, de novo.
posted by manu 1:12 PM


Wednesday, June 26, 2002

 
[hard to explain]

Para quem interessar possa: no site oficial dos Los Hermanos, hoje, entrou na seção de mp3 a cover deles para Last Nite, dos Strokes. Com o último verso em português e tudo.
posted by manu 4:40 PM

 
[i wanna hold you now, now, now]

Estava lendo o blog do Charles e me dei conta de uma coisa.

Se vocês quiserem me encontrar no domingo às 8 da manhã, podem ter certeza de que estarei na rua. Desde a Copa de 94 que tenho este saudável hábito de final de Copa do Mundo.
Eu gosto de futebol, e normalmente não perderia este jogo.
Mas sei lá. Desde a partida do tetracampeonato, eu simplesmente saio caminhando sem rumo, curtindo as ruas desertas e os barulhos abafados das tevês na globo e o gritedo dos bares cheios.

Dá licença, vou abraçar uma árvore e cantar "Aquarius". Hoje é meu dia de abrir os olhos para as coisas legais do mundo. Aquele lance de instante anterior, sabe? Como bem definiu o Bruno, falando dos quadros do Hopper. É o meu dia de abrir os olhos para as coisas legais da vida, assim como ontem foi o dia de só enxergar as ruins. It's all over now, baby blue.
;-)

posted by manu 1:34 PM

 
[sail away with me, honey]

Acho que vou chorar.

Tive um meio-dia recheado de e-mails maravilhosos.

Um beijo na pessoa que me disse que e-mails sublimes são a maior felicidade que eu jamais tive. Estou pensando em publicar o cherry on top. Mas deixa pra lá.

posted by manu 12:25 PM


Tuesday, June 25, 2002

 
[feeling so restless, so empty inside]

Eu finjo nem lembrar mais de um monte de coisas. O motivo que me levou a fazer faculdade de jornalismo é uma delas. Quanto mais se aproxima a minha formatura, mais descubro as falcatruas dos jornalistas que forjam entrevistas, inventam ganchos, invertem as coisas.
Ontem, por exemplo, comecei a ler o prefácio de um livro e me dei conta, ao chegar no final, que ele era exatamente igual à uma entrevista "concedida" pelo escritor pruma revista, recentemente.
Inacreditável. Eu ainda me choco com estas coisas.

---

E, se vocês querem saber, pau no cu dos guris que enganam as moças. Estou triste pela Clarah, que passou pelo vício de um MALDITO INDIE PAULISTA. Eu sei como é, sei como dói. Não foi nada bonito.
Aliás, disto eu lembro muito bem.

(Assinei um e-mail assim, hoje: manu - não sabe mais o que é vida. Não sei mesmo).

posted by manu 1:53 PM


Friday, June 21, 2002

 
[travelling without moving]

Pantufa, Wannadies You and me song e café com leite.

Falta só a leitura.
posted by manu 8:34 AM


Thursday, June 20, 2002

 
[a reason to kill me]

O Unlovely está atualizado. Oba!
posted by manu 3:52 PM

 
[let's get it on?]

A Anne levantou a questão lá no wonderground: pra ela, o melhor disco para transar é o Eletric Warrior, do T Rex.

E pra ustedes??
posted by manu 3:26 PM


Wednesday, June 19, 2002

 
[where do we go from here?]

Homem vende sua alma no eBay.

E foi um desalmado de Oklahoma que comprou.
posted by manu 4:11 PM

 
[invitation]

Dia 26 julho eu estarei em Florianópolis. Na primeira fila do show do Wry e da Suite Number Five.

Alguém é parceiro?

(acho brabo)
posted by manu 3:24 PM

 
[de pessoas trimmmassa]

Agora é sério:

"Na verdade nossa capacidade de empatia é o que permite toda a arte. A capacidade de nos envolvermos com o personagem, etc, vem toda desse potencial inato de compaixão, que é claro pode ser desenvolvido".

O cara posta esta frase sublime num comment de post triste de blog. Imagina o que escreve no dele.
posted by manu 2:51 PM

 
[all apologies]

Preciso caminhar por uma rua familiar. É. Bem disso que ando precisando.

Ontem não conseguia dormir, então fui ver tevê. Assisti um videoclipe de uma banda chamada The Hives. Pareceu bom, soou como The Who. O guitarrista, aliás, era a cara do Fats Domino, mas ele tava se achando o próprio Pete Towsend. Mas a música chamou minha atenção, muito muito boa.

The Hives é hype? É que já ouvi esse nome em algum lugar, temo pela minha integridade musical.
posted by manu 12:59 PM

 
[arranjei alguém chamado saudade]

Então ontem tinha o segundo show dos Los Hermanos em Porto Alegre, e este eu não podia perder. Segunda estava com muita febre e nem tava nas pilhas de sair.
Ontem tinha também aquele Sarau lá no Ocidente. O tema era "Frio". Achei chato pacas: só leram dois textos legais, caíram no clichê Vitor Ramil e teve a participação de um cara que era muito, mas muito incoveniente (tanto que não fiz a menor questão de guardar o nome dele). Mas isso, enfim, não vem ao caso.

(pausa)

O negócio é que eu só disse "eu te amo" duas vezes na minha vida - e nenhuma foi suficiente. É pouco, eu sei. Mas o foda é que meus dois amores aconteceram exatamente na época do lançamento dos dois discos dos Los Hermanos, e estes discos tiveram muito a ver com tais relacionamentos, de uma maneira ou outra. Achei que ia ser foda ver um show com todas aquelas músicas. Me emocionei pra caramba, porque o show foi realmente bonito. Bonito mesmo, todo o público estava emocionado, cantando todas as letras, e os caras da banda também estavam felizes com a resposta.

A pergunta que fiz pro Pepe e que fica, afinal, é: quando será que eles vão lançar outro disco?

;-)
posted by manu 12:33 PM


Tuesday, June 18, 2002

 
"Os heróis são como pneus usados."

Boa, boa, Rick Moody.
posted by manu 4:48 PM

 
[trying to find a piece of mind]

Provas.

Gripe colossal.

Amigas apaixonadas, amigos abandonados.

E eu, só passando. Só passando. "Don't get up, gentlemen, I'm only passing through" vai ser minha tagline para sempre?


posted by manu 3:24 PM


Friday, June 14, 2002

 
[meet joe black]*

Encontrei o André hoje, que surreal. Lembrei de contar uma história bizarra que aconteceu. O André era meu namoradinho de jardim de infância, mas eu não tinha muito saco pra isso desde aquela época. Um belo dia, estávamos brincando de pegar e ele inventou de me dar um beijo. Só que forçado: o moleque praticamente me deu uma chave de braço pra conseguir a bicoca. Resultado: mordi o braço dele tão forte que fui "convidada a me retirar" do colégio. Melhor pra mim, que aprendi a ler em casa, longe daquele demente e ainda tenho uma história de expulsão do jardim de infância para contar. Ui, que mau.

O detalhe é: quando voltei pra aula, fui pra outra escola. No segundo grau, mamãe, preocupada com o vestibular, me colocou no colégio de freiras de novo. Então, lá estou eu, primeiro dia de aula, e escolho sentar atrás de um menino que me chamou a atenção. Era o André, com uma cicatriz no braço.

E ele SEMPRE lembra dessa história. Que puxa.
Mas é pior quando ele lembra que eu tinha um amiguinho imaginário. O nome dele era Laranjinha. Hshs, ok, chega por hoje.

*Pergunta: será que sou a única pessoa do universo que não gostou desse filme?
posted by manu 9:46 AM

 
[i am the girl who loves you]

Tá com dor de cotovelo como eu?

Vamos para Londres.Né?
posted by manu 9:34 AM


Thursday, June 13, 2002

 
[i'll stand by you]

Essa é para os amigos ausentes: música nova do U2 disponível no site deles. Eu ouvi e gostei, lembrou "One", não sei porque.

Ando escrevendo. Isso é tããão sintomático.
posted by manu 3:48 PM

 
[sometimes i feel i've got to run away]

Já comentei aqui que eu sou a pessoa mais azarada da face da Terra no que diz respeito à taxistas? Não, né?
Mas eu sou. Eu pego táxi a cada morte de papa, mas quando pego, sempre os motoristas têm alguma coisa interessante.
O de ontem estava dormindo, o que é perfeitamente normal - ele é taxista, passava da 1 e meia da manhã. Mas ele tinha cicatrizes feias e muito recentes no rosto dele, e ele ficou me falando que eu tinha os olhos da Gina Lolobrigida (logo quem) e como eram bonitos os filmes italianos e que ele gostava muito do Alain Delon e lalalá. O cara estava tendo uma síncope, não calava mais a boca. E quando a gente chegou no meu prédio, eu paguei ele (antes ele contou do amor proibido dele de 8 anos atrás) e o cara ficou buzinando quando eu estava subindo pelo elevador. Voltei lá, morta de vergonha, e ele queria me devolver os 11 centavos de troco. Espetáculo.

random shite:

Ahn, valeu pelos comments no brógui. Meu novo sobrenome é Capanema.

Esqueci de falar a frase que eu tatuei nas costas: "music is love". Muito GENUÍNA, eu achei. Estou feliz com ela, preciso bater foto.
posted by manu 1:21 PM

 
[part of the deal is for you to feel something]

Aspas para Iggy Pop:

"O que eu gostava de fazer era andar pelas ruas com o coração cheio de napalm. Sempre achei Heart Full of Soul uma bela canção, por isso pensei: 'O meu coração está cheio de quê?'
Concluí que estava basicamente cheio de napalm."

O meu coração está cheio de fumaça.

(Não, não. É só uma referência a How to Fight Loneliness, do Wilco).

E o coração de vocês, está cheio de quê?
posted by manu 12:34 PM


Tuesday, June 11, 2002

 
[just in case]

Hoje e amanhã serão dois dias sem nenhum post, e nenhum e-mail. Estou temporariamente fora da área de cobertura, por motivos técnicos e práticos.
E a única pessoa que pode reclamar é a Maria. Porque ela pode, oras.
posted by manu 1:39 PM

 
[porcelain]

Eu sempre fico triste no dia dos namorados. Eu caio nos papos dos publicitários sem querer, eu juro. Olha, eu adoro o Natal. Adoro e viro uma rena insuportável e não dou a mínima. Mas o lance é que, no dia 12/06, eu fico triste quando recebo esses bombardeios de que minha vida deveria ser cheia de vanilla taste, de sorrisos meia-boca e silêncios significativos. É que os outdoors estão tão ALI, sabe?

Dia dos namorados. Acho que começarei a plantar alfaces hipodrônicas nesse dia. Parece-me uma boa coisa a fazer.
posted by manu 1:25 PM


Monday, June 10, 2002

 
[hello, little one]

"Aqui tinha um post sobre o provão, mas achei muito chato e resolvi apagá-lo".

Damn, como eu amo você, João. Eu escrevi essa frase no meu blog há três minutos atrás e quando vou ler o teu... tá lá. E eu ainda me assusto com essas coisas.

Aliás, se eu pudesse pedir um irmão pra mim, ia ser o João. Nós íamos gostar da rabugenta da minha vó e ficar falando mal dos meus tios abotoados e ficar fazendo coisas nojentas do tipo usar códigos über geeks na mesa do jantar. E ainda teríamos a eterna desculpa de sermos losers porque somos os 'jornalistas' da família. Ultracool. E eu ainda ia poder fazer cafuné impunemente nele. Respondam: em quantas pessoas vocês podem fazer cafuné impunemente? Hein? Hein?

Preciso de um chá preto. Eu adoro chá preto.
posted by manu 10:02 AM

 
[something inside of me is burning at this time]

o que tu tá fazendo aqui? sério, vai pra .

"the breath of the morning, I keep forgetting,
the smell of the fresh summer air
i live in a town we can't smell a thing
you watch your feet for cracks in the pavement"

ouvir radiohead enquanto se lê o explodingdog deveria ser proibido por lei.
posted by manu 8:28 AM


Friday, June 07, 2002

 
[as if]

E se o punk rock nunca tivesse acontecido?

Não dá nada. No final, a única coisa que realmente aconteceu foi essa não-bunda do julian stroker comprando jornal. who cares? groupiesmo still stinks- but we all know that some girls are better than others.

posted by manu 11:21 AM

 
[hermetic]

não vamos comentar a argentina, néam? não. mas eu espero que a molly comente magistralmente, como já fez.

eu ainda tô chororô. pô, foi o meu beatle que morreu, entendam. (prometo não escrever nenhum texto sobre o fato: o mundo está salvo).
posted by manu 10:26 AM


Thursday, June 06, 2002

 
[eu e minha grande boca]

por que eu tinha que falar que o joey era uma diva?

agora o dee dee ramone morreu também. adivinha de quê.

:~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
posted by manu 4:03 PM

 
[Kiss me again, rekiss me and kiss me]

Bonita foto. Uma das minhas músicas favoritas dele é "Far from me". Recomeindo para dias de alegria suprema.
posted by manu 3:43 PM

 
[frustar as expectativas dos outros é bad karma indeed]

não consigo ler meus e-mails. alguém sabe o que houve com o site do terra? e com o meu template?

que coisa.


posted by manu 12:54 PM

 
[esportes ao meio-dia]

eu odeio as pessoas que andam de guarda-chuvas no centro. sério, aqueles panacas fazem questão de ficar embaixo das marquizes atrapalhando quem não tem como se proteger da chuva. eu simplesmente não entendo.
e guarda-chuvas coloridos são a coisa mais poser do universo. mas, quando tinha 11 anos, tinha o clássico da madonna, branco. vocês não iam conseguir dormir hoje se não soubessem disso. imprescindível.

e eu comprei o disco do joey ramone, me agüentem. divas são o que há - como eu poderia viver sem um disco novo de diva?

no walkman: detroit cobras ("uma mistura de stooges e ronettes", segundo o andré). bom pra caralho.
posted by manu 12:43 PM


Wednesday, June 05, 2002

 
[I want you to want her]

Não sei se ela não vai ficar de cara, mas deu vontade de linkar a Maria.

delírios judios ............. 17mg
cultura do risco ......... 50mg
espasmos de moda......10mg

Lá no Curtos Surtos.

Ela não é ótima?
posted by manu 5:42 PM

 
[wishlist]

Eu não quero mais o livro sobre o Neil Young. Nenhum cd, também. Eu quero mesmo é isso aqui. As camisetas mais legais.
(Entendam, sou só uma uncool girl. E não se engane: meninos SEMPRE serão um problema para garotas como eu).
posted by manu 5:39 PM

 
[la la love you]

Estou insuportavelmente cantante. Poucas horas de sono, e-mails antológicos e abraços antibióticos têm me feito assim.
"I'm a full-grown man but I'm not afraid to cryyyyyyyyyyyyy". O Beck não é um sujeito legal?

;-)
posted by manu 4:18 PM

 
[stupid stupid stupid]

Sabe aqueles testes onipresentes em weblogs (bem, em alguns deles)?

Disforia.
posted by manu 3:44 PM

 
[only love can break your heart]

Acabei de ler no blog do Galera. Saiu nos EUA uma biografia do Neil Young, com mais de 800 páginas. Leiam o resto lá no blog dele, eu ficar plagiando é feio (será que já digitei os 12 acordes?).

Ps. 6 de outubro, o meu aniversário, hein? Taí uma boa pedida, Jô. ("boa pedida" é a expressão mais armazém de todos os tempos)
posted by manu 1:41 PM

 
[what a wonderful world]

Acordei com essa música aí na cabeça, porque ontem, antes de dormir, foi a última a tocar no rádio. Versão nova do Joey Ramone, desse disco solo dele, "Don't worry about me" - aliás, decretado o nome mais punk jamais dado para um disco solo.
;-)
Ontem o Mim apareceu lá em casa, tomei aula de humanidade até depois das três da manhã. Tomamos café, "and talk till 3, bout life and love, as old friends do/ and tell each other what we've been trough, how love is rare, life is strange, nothing lasts, people change" (gosto dessa canção).
Quatro anos sem ver o Mim tinham me feito esquecer como ele me influenciou nessa vida. Ele é o próprio the world's forgotten boy (stooges de novo). Um menino sem link, morando numa chácara lá perto de Viamão, esperto, vivido, com 30 anos, um filho e separação no papel e ainda assim, lindo de morrer. Então, eu sentei e escutei. Escutei muito. Quem me conhece sabe que sou a rainha das intervenções sem nexo, mas ontem não fiz nenhuma, porque tomei um laço com várias coisas que o Mim contou da vida dele.
Mas o Mim nunca foi só o menino-carisma que aparecia lá em casa e passava o final de semana inteiro cozinhando, ouvindo blues e fumando seus eternos Bensons (blergh, ele ainda não perdeu essa mania). Por isso, essa vai pra ele:

"Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...


Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza."

Álvaro de Campos
posted by manu 1:24 PM


Tuesday, June 04, 2002

 
[back in the saddle]

O último dos posts sem noção. Sou a rainha das piadas internas hoje - mas não são piadas. Brincando de Grapete.

É que queria dizer que voltei. "I'm a street walking cheetah with the heart full of Napalm". A diferença é que agora tudo está melhor e incrivelmente em seu devido lugar.
posted by manu 5:34 PM

 
[É lua cheia - a casa está vazia]

Dusty Springfield - Son of a preacher man.

17:06.
Vou mudar meu nome. A partir de amanhã, também me chamarei Trip Fontaine.
Mas só amanhã.
posted by manu 4:27 PM

 
[whatever happened to my rock and roll]

"Você precisa conhecer Black Rebel Motorcycle Club", ouvi pelo telefone. "É a tua cara, eu acho muito a tua cara".

Chega a ser engraçado. Quem me falou isso foi o último menino de quem gostei, popularmente conhecido como o MALDITO INDIE PAULISTA (valeo, mojo). Ele falou isso há dois meses, na última vez em que me ligou, e eu fiquei com essa frase na cabeça. Ontem, a Cams me emprestou o cd dela, o debut dos garotos. A banda das beldades.

Caraca. Ainda não me recuperei. Red eyes and tears!

Red eyes and tears no more for you my love I fear
Red eyes and tears no more for you my love I fear

No more fear, no more fear I'm in love
Losing sensation for you my love I fear
Losing sensation for you my love I fear
No more fear, no more fear I'm in love

(Spoken:) Love...love...I'm in love

Losing the reasons to breathe I never lived
I'm losing the reasons to breathe I never lived
Never lived, never lived I'm in love

These are my reasons the truth is never filled
These are my reasons the truth is never filled
I'm never filled, never filled I'm in love

(Spoken:) Love, love, I'm in love

Red eyes and tears no more for you my love I kill
Red eyes and tears no more for you my love I kill
Red eyes and tears
Red eyes and tears
Red eyes and tears no more for you my love I kill
No more kill, no more kill I'm in love

---

E o melhor: the super-long lasting flavour não é dedicado ao catzo citado ali em cima. "Ele me olhou. Com aqueles olhos de quem nunca tinha se metido em problemas porque gostava do Jethro Tull". Isso não fui eu quem escrevi.
Seja bem-vindo, mas espero que tu saiba o quanto me custa botar este sorriso na cara.

posted by manu 3:01 PM


Monday, June 03, 2002

 
[the winner takes it all]

hoje é aniversário da jojoba e da heleninha. a helena é uma guria esperta, que lê ótimos livros e sabe que nada supera um homem maquiado. grande menina, gosto muito dela.
a jô... pô. ela é um amor comigo. ela cozinha para mim, agüenta meu mau humor (eu nem sabia o que era isso até 2 meses atrás), sempre me enche de presentes e - PRINCIPAL - ri e entende meu humor bizarro. nobody does it better. amo você, garotinha. (mas ainda não comprei teu presente... hshsh)

hoje fui pedida em casamento pela Biscoita, de forma que tudo está salvo. ela é minha soulmate, compreendam.

recuso-me a comentar qualquer coisa sobre meu feriadão. só que continuo abstêmia (êêê) e estou in trouble. mas isso é assunto para posts intermináveis e para o blog-sem-url.
posted by manu 10:39 AM


This page is powered by Blogger. Isn't yours?